top of page

Os Estados Unidos encerram o caso do brutal assassinato de um menino negro em 1955


A mãe do jovem Emmett Till chora durante o funeral de seu filho em Chicago em 2 de dezembro de 1955.

foto: Bettmann Archive


A justiça que a família de Emmett Till busca há 66 anos nunca virá. Não haverá encerramento. Os culpados não pagaram pela atrocidade cometida e nunca pagarão. O Departamento de Justiça dos Estados Unidos anunciou neste mês de dezembro de 2021 que estava encerrando o caso do assassinato brutal de Emmett Till, um menino negro de 14 anos que foi sequestrado e linchado em 1955 no estado do Mississippi, no sul do país. O Ministério Público considera que não há provas suficientes para apresentar queixa, três anos após a reabertura do caso de linchamento da adolescente, após uma mulher confessar (meio século depois) que mentiu perante o júri que exonerou os dois brancos que torturou o jovem até a morte.


A Senhora Donham, de 87anos, raramente falou sobre o que aconteceu naquele verão de 1955. Seu então marido, Roy Bryant, e seu meio-irmão, J.W. Milam, ambos falecidos, confessaram o crime depois que um júri de 12 homens brancos os inocentou. Sua confissão não mudou nada.

Ninguém passou um único dia na prisão ou pagou de qualquer outra forma pela maneira cruel e implacável com que Bryant e Milam acabaram com a vida de Till. O jovem viajou de Chicago para o sul segregado para visitar primos e tios que moravam em Money, uma cidade rural do Mississippi. Era 24 de agosto quando o jovem estava na entrada de um estabelecimento. Vindo do norte mais liberal, Till brincou que tinha uma namorada branca em Chicago. Diante dessa afirmação, seus primos e amigos o desafiaram a conversar com a vendedora, que era Donham. A partir desse momento é onde as versões começam a variar.


Segundo os parentes de Till, o menino assobiou para cumprimentar Donham. Em um país onde a segregação era oficial, o relato da mulher foi bem diferente e provocou a fúria do marido, que quatro dias depois do ocorrido, ajudado pelo meio-irmão, retirou à força Till da casa onde estava hospedado para despi-lo próximo o rio e espancá-lo até a morte. A surra deixou o jovem com um olho estourado e saltou pairando sobre seu rosto. Eles atiraram em sua cabeça e jogaram seu corpo no rio amarrado a um pesado ventilador industrial.


A mãe de Till, Mamie Bradley, exigiu que o cadáver mutilado de seu filho fosse transferido para Chicago e exposto em um caixão aberto, para que o país pudesse ver o resultado do racismo no rosto irreconhecível do adolescente. A determinação de Mamie Bradley conseguiu colocar um dos milhares de linchamentos que existiram entre 1870 e 1960 (totalizando mais de 4.000), colocando a sociedade americana diante do incômodo espelho do racismo. A sádica morte de Till foi um estímulo para o nascimento do movimento pelos direitos civis, que acabou com a segregação legal dos negros nos Estados Unidos. Porém, 66 anos depois, a morte de Emmett Till continua para sempre sem culpa.

230 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page