top of page

Racismo na Arena Joinville?



Recentes episódios de discriminação racial ocorridos nas partidas de futebol em território brasileiro demonstram, de forma inegável, que o preconceito é uma chaga que envergonha o nosso país e que tem que ser erradicada de uma vez por todas.

No último sábado (27/8), na Arena Joinville, o jogador Victor Guilherme, do Marcílio Dias, afirma ter sido vitíma de insultos racistas por parte de um torcedor do Joinville. O clube de Itajaí publicou uma nota no seu site a respeito do assunto. O Joinville Esporte Clube foi solidário e igualmente se posicionou contra o racismo.


Leia as notas abaixo na íntegra:


Nota oficial Marcílio Dias: Racismo. Até quando?


O Clube Náutico Marcílio Dias encontra-se estarrecido e indignado com mais um ato de racismo durante a prática de futebol profissional, desta vez com um atleta do próprio Clube, o lateral Victor Guilherme.


O atleta alega ter sido ofendido de "negro filho da puta" por um torcedor do Joinville, durante a partida, antes de uma cobrança de lateral. Victor Guilherme levou o fato ao trio de arbitragem, que colocou em súmula:


"Aos 35 minutos do segundo tempo, fui informado pelo atleta n°2 Victor Guilherme da Silva Cavalcante da equipe Marcílio Dias , veio até mim árbitro da partida, relatou ter sofrido injúria racial por um torcedor que se encontrava junto a torcida do Joinville".


Minutos após o ato, o agressor - que havia se escondido de acordo com Victor Guilherme - voltou ao local das ofensas e foi identificado pelo atleta antes de uma cobrança lateral no mesmo local das injúrias iniciais. O mesmo apontou ao árbitro Igor da Silva Albuquerque, que advertiu o atleta do Marcílio Dias, vítima de racismo, com cartão amarelo, por "retardar excessivamente a execução de um arremesso lateral ou tiro livre".


Ou seja: ao tentar fazer seu direito de denúncia de um ato de racismo e que o torcedor fosse identificado e levado às autoridades competentes, a vítima do ato racista foi advertida com cartão amarelo.


É estarrecedor que estes fatos continuem acontecendo no futebol, e na sociedade como um todo, e que punições severas aos racistas deixem de acontecer. Racismo é crime inafiançável previsto na Constituição e em leis como a 7.716/89. Cabe a nós reprimir, denunciar e fazer com que o racismo seja eliminado de uma vez por todas do convívio social.


O Marcílio Dias se solidariza com o atleta Victor Guilherme. O Clube, que leva o nome de um herói nacional negro - neto de escravos - não irá se calar e irá cobrar da Federação Catarinense de Futebol e demais órgãos competentes maior rigor e punições severas a estes fatos completamente lamentáveis e indignantes.


Temos que dar um basta no racismo!



Nota oficial do Joinville Esporte Clube


O Joinville Esporte Clube tomou conhecimento e lamenta profundamente o caso de racismo relatado pela atleta Victor Guilherme, lateral do Marcílio Dias, no confronto pela rodada de estreia da Copa Santa Catarina, neste sábado (27), na Arena. Já na manhã deste domingo (28), assim que soube do fato, o presidente do JEC, Charles Fischer, entrou em contato com o presidente do Clube Náutico Marcílio Dias, Hercílio Henrique de Mello Tristão, e com o jogador Victor Guilherme, se colocando à disposição para qualquer contribuição e suporte.

O Joinville é um clube de todos, e tem muito orgulho disso. Na nossa história estão marcas de povos de várias partes do mundo. Nosso primeiro gol foi marcado por um negro, Tonho “Cabeça de Fé”. Nossa maior revelação é um negro, o volante Ramires, com participação em duas Copas do Mundo. Além de tantos outros atletas e de etnias diversas que representaram e representam a nossa camisa. Manifestamos total repúdio a qualquer manifestação de cunho racista ou preconceituoso e temos certeza de que a absoluta maioria da torcida jequeana também repudia atos dessa natureza. Preconceituosos não nos representam!

120 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

تعليقات


bottom of page